Diário de Um Glutão sem Glúten – 29/04

Aí vamos nós… 23 dias quase totalmente sem glúten e os resultados são animadores: com 3 quilos a menos (estou com 84,1kg), disposição levemente melhorada e a concentração melhor 50%. Pode parecer aos menos incautos que os resultados não foram, assim, tão bons, mas olhando nos detalhes (que contarei a seguir….) vocês verão que realmente obtive melhoras sensíveis.

Primeiro vamos falar da alimentação: apesar de não ter ingerido mais glúten, fugi da dieta nos finais de semana tomando algumas latinhas de cerveja – foram umas 3 latinhas de 269ml por final de semana. Pouco, é fato, mas ainda assim um consumo que deve ficar registrado. Nos cafés da manhã tenho feito o desjejum com 2 ou 3 fatias de queijo com presunto ou peito de peru + café com leite (com sucralose). Confesso que pensei que chegaria as 9:30 morrendo de fome mas, para minha surpresa, não foi o que observei. A fome começou a bater só as 11:30 e aqui podemos registrar um ganho significativo: meu apetite diminuiu significativamente.

Os almoços e jantares têm sido a base do bom e velho arroz, feijão, frango e salada. Sem exageros pois não tenho tido mais tanto apetite para aquele “pratinho de pedreiro”….

Aos finais de semana, ou batemos aquele churrascão ou eu fico na pseudo-massinha – aqui você pode gritar: MASSA TEM GLÚTEN!!! Tem, só que não: quando bate aquela vontade de massa, tenho comido macarrão de palmito com molho de shitake. Se você não conhece macarrão de palmito, te apresento na foto abaixo.

Palmito Pupunha em macarrão

Palmito Pupunha em macarrão

E o que mais tenho me admirado desta dieta sem glúten, é a disposição para o exercício: não é que não tivesse nenhuma disposição antes de ter cortado o glúten, mas agora, tenho motivação para sair e caminhar TODOS OS DIAS!!! Sei que este deve ser um dos principais motivos da perda de peso, mas, ainda assim, acredito que a dieta tem um papel fundamental.

Daqui uns quinze dias teremos mais novidades….

Um brilhante recomeçar

Ontem sob o brilho da lua cheia, tive a firme resolução de voltar a escrever. Percebi que os antigos músculos estavam beirando a atrofia, meu raciocínio já estava sendo ultrapassado pelo de minhas filhas, então, resolutamente, concordei que seria hora de empreender algo para sair do marasmo.

Atualizei as ferramentas de meu site, troquei o blogger (agora utilizo WordPress) e aqui estou eu, exercitando meus neurônios novamente!

A fim de que possa adicionar o adjetivo prazeiroso aos breves momentos que passaremos por aqui, resolvi definir que não haverá definição, ou seja, nenhum assunto será cerceado destas páginas. A única exigência é a que exista prazer ao ler e ao escrever.

Seja bem vindo – estamos em casa.