Uma vida pelo direito de aprender

Terminantemente existem algumas pessoas que vieram ao mundo para transformar e evoluir a sociedade em que vivem. E tive esta exata impressão quando tomei conhecimento da história de uma menina paquistanesa: Malala Yousafzai.

Malala aparentemente é uma menina como outra qualquer: tem seus sonhos, desejos, frustrações e passaria desapercebida se ela, menina, 11 anos, paquistanesa, moradora em uma região do Paquistão controlada pelos Talibãs, também não escrevesse suas auguras em um blog hosteado no site da BBC.

E foi neste blog que o mundo tomou conhecimento de uma história triste mas verdadeira: os radicais talebãs, com seu conhecido extremismo, iniciaram um processo contínuo de limitação das liberdades individuais, até o momento em que, entre diversos outros absurdos, também suspenderam o direito das meninas daquela região a assistirem aulas.

Claro que estou sendo simplista e até lacônico demais ao descrever este fato – eu pessoalmente li diversos posts da Malala e encorajo todos a fazê-lo para que possam tomar conhecimento acerca da realidade daquele povo – pobre realidade, diga-se de passagem. Impressionante e assustador é a forma como ela descreve, dia a dia, os boatos que correm entre suas amigas acerca do fechamento das escolas para as meninas.

Hoje, Malala recupera-se em Londres de um atentato que sofreu por conta de suas posições contrárias ao Talebã – eles não só assumiram a autoria do mesmo, como também defenderam sua posição através de representantes oficiais.

Não só pela lição de vida, mas também pelo ativismo e coragem apresentados pela menina Malala, sinto-me na obrigação de divulgar um pouco da história desta menina que arriscou a própria vida pelo direito de aprender. Força Malala.

Malala Yousafzai