Poder de Indignação

Tenho estado distante de meu blog mas não é por nenhum motivo outro que o excesso de absurdos que tenho visto e ouvido por aí que acabaram por causar uma certa dormência na minha capacidade de indignação.

Para escrever tem que ter raiva, vontade ou, como Freud gostava de dizer, tem que ter pulsão! Mas confesso que tenho sentido certa falta de questões realmente importantes que se destaquem do meio comum – é tanto absurdo e notícias sem importância (Comissão de Ética, Pastor Marco Feliciano, Coréia do Norte, Papa Francisco….) que os temas relevantes, pelo menos para mim, ficaram em compasso de espera.

Bom, daí acabei por perceber que este anestesiamento está me causando alienação – e isto é a última coisa que quero para mim. Não me é salutar este estado e, exatamente por este motivo, vou me policiar para que não seja “só mais um” assistindo a novela das oito sem se preocupar com a carestia que vivemos em nossa sociedade. Afinal, penso, logo existo!!!